segunda-feira, 29 de junho de 2015

Síria


Nos últimos três anos, a Síria ganhou destaque no noticiário internacional devido à guerra civil que assolou o país e foi responsável por mais de 190 mil vítimas fatais, além de milhares de desabrigados e refugiados.
O cenário é quase de cidades-fantasmas. Muitos cristãos perderam propriedades, empregos e entes queridos, alguns devido aos constantes bombardeios, outros,  ao caráter religioso que a guerra tomou. O povo está com medo. Acontecem tiroteios e bombardeios 24 horas por dia. Há pessoas que, por medo das explosões, não dormem mais na cama; dormem no corredor da casa, que é o local mais protegido. Assim como acontece no Iraque, na Síria o extremismo islâmico é responsável pela perseguição severa à qual os cristãos são submetidos diariamente.
A oposição síria está se ‘islamizando’ de forma crescente e os cristãos tornaram-se mais vulneráveis em todas as esferas da vida. Fontes locais relatam que muitos deles foram raptados, feridos ou mortos e muitas igrejas foram danificadas e destruídas. Além disso, o grupo radical Estado Islâmico, sediado no país, tem executado categoricamente todo aquele que não se submete ao islamismo, com o objetivo de formar um Califado sob a lei islâmica (Sharia). 
Além disso, ex-muçulmanos sofrem com a desconfiança provocada pela polícia secreta. Eles têm medo de contar sua história às pessoas, mesmo aos amigos. E a Igreja, por sua vez, tem medo de receber esses convertidos, pois desconfia de que possam ser agentes do governo disfarçados – o que não é impossível de acontecer.
Mesmo diante de todo esse contexto, há cristãos firmes em seu propósito de servir ao Senhor.
“A oração é a melhor arma que temos”, diz uma cristã síria.
Fonte : Missão Portas Abertas

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Iraque


Em 2014, a liberdade religiosa se deteriorou seriamente para os cristãos sob a influência do estabelecimento de um califado pelo Estado Islâmico (EI), em grande parte do Iraque. Uma de suas metas é esvaziar o país de cristãos.
Prova disso é que, nos últimos meses, milhares de cristãos têm sido forçados a abandonar suas casas somente com a roupa do corpo; a maioria fugiu, principalmente de Mosul, como resultado da violência que se estendeu por essa e muitas outras cidades. Além disso, cristãos de origem muçulmana frequentemente enfrentam oposição não apenas dos extremistas, como também de suas famílias e comunidades (a lei iraquiana afirma que cada cristã nascida no país, mesmo em uma família cristã, sob contexto muçulmano, deve ser registrada como muçulmana).
Desde 1994, a Portas Abertas está no Iraque, servindo esses irmãos. E, hoje, o trabalho é ainda mais urgente e intenso. Cristãos refugiados precisam de auxílio para prosseguir a vida e sustentar sua família onde estão. Os poucos que permaneceram precisam de abrigo, alimento, água e remédios.
Em 2003, havia mais de um milhão de cristãos no Iraque. Hoje, restam menos de 350 mil por causa dos ataques contra a Igreja.
Fonte : www.portasabertas.org.br

sexta-feira, 12 de junho de 2015

Somália

 

No segundo país mais opressor dos cristãos, o luto e a dor da perda estão presentes em muitas casas. Há um forte movimento para limpar o cristianismo do país, encabeçado, principalmente, pelo grupo militante islâmico Al-Shabaab, que ataca os cristãos e as comunidades locais. Pais e filhos são mortos unicamente por se identificarem como seguidores de Jesus. Para os somalis, quem abandona a fé islâmica para converter-se ao cristianismo é infiel e merece morrer.

Líderes islâmicos e funcionários do governo reforçam publicamente que não há espaço para cristãos na Somália. Por um longo período, a falta de leis no país abriu espaço para o crescimento do extremismo religioso. Somente em 2012 o povo elegeu seu primeiro presidente, após mais de 20 anos sem um governo central.

A pressão sobre a minúscula comunidade cristã tem aumentado significativamente. Os poucos cristãos – uma soma de aproximadamente mil praticantes em uma população de mais de nove milhões de pessoas – são fortemente perseguidos e devem praticar sua fé em segredo. Alguns foram, inclusive, forçados a fugir para viver em outros países.

Apesar da forte perseguição, muitos cristãos, mesmo que secretamente, têm guardado sua fé em Cristo e não desistem de segui-lo.

terça-feira, 9 de junho de 2015

Coreia do Norte

Há 13 anos, a Coreia do Norte tem sido o lugar mais difícil do mundo para um cristão praticar sua fé; um recorde desde que a Classificação da Perseguição Religiosa foi criada, em 1994. Nenhum outro país ficou por tanto tempo ocupando a posição de maior destaque da lista.
Considerada hoje a nação mais fechada do mundo por suas políticas de isolamento, a Coreia do Norte é um mundo à parte, onde servir a Deus custa um alto preço. Qualquer atividade religiosa é vista como uma forma de revolta contra os princípios socialistas do governo e contra o culto à personalidade do líder, Kim Jong-Un.
Ser cristão na Coreia do Norte significa ser proibido de professar sua fé abertamente. Forçados a viver somente em segredo, os cristãos não ousam compartilhar sobre a sua fé nem mesmo com seus familiares, por medo de ser enviados a campos de trabalho forçado (onde estão presos cerca de 50 a 70 mil cristãos). Uma pessoa descoberta em atividade religiosa está sujeita a detenção, desaparecimento, tortura e até mesmo execução pública.
No entanto, apesar das dificuldades enfrentadas, a Igreja continua perseverando e está crescendo: há cerca de 400 mil cristãos no país.
“Através da fé, venceremos as dificuldades e o sofrimento. E, também, confortados pela fé, conseguiremos prosseguir”, diz um cristão norte-coreano.
Última atualização em 21/1/2015
Fonte: https://www.portasabertas.org.br/cristaosperseguidos/perfil/coreiadonorte/

domingo, 31 de maio de 2015

Esposa, Mãe, Missionária

Quando me converti, desejava ser uma ´missionaria´, pregar a Palavra de Deus aos que não conhecem.
Na medida que o tempo passou, e os filhos chegaram, compreendi minha importante função como esposa e mãe.
O nosso testemunho de vida, viver o evangelho, dar Jesus para as pessoas, isto fala muito mais que palavras.
Ser fiel no pouco, então Deus vai acrescentar a cada dia mais, segundo à vontade Dele para cada uma de nós.
O ministério de ser mãe é maravilhoso e de muita responsabilidade.
Saber que Deus confiou nas nossas maõs, os nossos filhos, para que cresçam nos caminhos do Senhor é uma grande tarefa e serviço.
Precisamos buscar sabedoria do alto para instrui-los no Temor do Senhor.
Espero que cada mãe possa se dar o seu devido valor. Compreendendo que Deus nos confiou os nossos filhos.
Nossa própria família está em 1º lugar de importância. Não sejamos negligentes!

"Ensina a criança no Caminho em que deve andar, e mesmo quando for idoso não se desviará dele!" (Proverbios 22:6).